sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Momento fora do país... [2]

Nos últimos meses, estão em alta na mídia dicussões sobre a crise financeira norte-americana que terminou por afetar as bolsas de valores de todo o mundo. Oscilações em tais instituições, bem como na moeda americana (o dólar), são acompanhadas com receio. E o desaquecimento econômico da nação de maior PIB do mundo torna-se tão evidente quanto o medo que tal fato causa a diversos países.
A repercussão da crise sobre o Brasil ainda divide os economistas. Uns apontam o país como desprotegido externamente, graças a sua dependência do crédito e incapacidade de levar adiante um desenvolvimento "auto-sustentável". Outros alegam que o acúmulo de reservas cambiais (quantidade de dólares que um país tem, a fim de ter como saldar compromissos no exterior) e a inflação controlada diminuiriam os efeitos negativos. Assim também, dependendo do ponto de vista, a baixa do dólar traz conseqüências positivas ou negativas para o Brasil.
O que vocês acham?
OBS: Para entender o início desse desarranjo na economia mundial...
[Trechos de uma reportagem da Globo.com - 26/07/2007]
O abalo nas bolsas de valores de todo o mundo tem origem no mercado imobiliário dos EUA: os americanos estão atrasando ou deixando de pagar a hipoteca da casa própria.
O problema é especialmente grave no grupo "subprime", reservado para os clientes que são considerados "propensos à inadimplência" por não terem renda comprovada ou por comprometerem grande parte dela com as prestações. Por isso, esses clientes pagam juros mais altos, que podem chegar a 12% .
Nas últimas décadas, a classe média norte-americana hipotecou em massa seus imóveis. Como funciona: empresas especializadas dão empréstimos e tomam as casas como garantia.
Houve não só um movimento de hipoteca, mas também de refinanciamento dos imóveis. Como os juros estavam baixos nos EUA, muita gente trocou de financiamento, recebendo dinheiro na troca.
O problema, segundo especialistas, é que esse "troco" não foi investido de volta nas residências, mas usado para comprar bens não-duráveis no mercado de consumo ou para saldar dívidas. Ou seja: muita gente refinanciou o imóvel para pagar o cartão de crédito.
Por isso, o aumento da inadimplência - que já gira em torno de 5% nos financiamentos imobiliários dos EUA - deve gerar o fechamento da torneira dos empréstimos no país.
E é justamente aí que mora o perigo: sem casa, poupança ou acesso a crédito, as famílias americanas podem deixar de comprar, afetando a economia local e também a do resto do mundo.

17 comentários:

Celso... disse...

A respeito da minha posição...

Eu não acredito realmente q o Brasil estejaaa num patamar no qual os problemas norte-americanos não nos afetem diretamente.

Mas também é inquestionavel o fato do nosso país está bem mais equilibriado com relação as dividas externas e a inflação.

A questão mais alarmante é: Quanto tempo irá durar esse crise no seto imobiliario dos EUA??

É isso o que mais me preocupa...
pq é possievl ver que o mercado externo já esta sendo afetado, algumas bolsas de valores tiveram queda acentuada nos ultimos dias.
E queda na bolsa significa que o dolar vai aumentar...

Camila L. L. disse...

eita, não entendi...
pq com a queda das bolsas o dólar aumenta?

Marcos disse...

Seria assim, camila

N é q seja obrigatório aumentar, mas normalmente aumenta. Vou explicar.
Queda na bolsa significa fuga de investidores, mas num país como o Brasil, q a maioria dos investimentos são de de capital externo(dólar), uma saída pra essa fuga é aumentar o dólar na tentativa de atraí-los novamente e, com isso, recuperar a queda.

Camila L. L. disse...

então:
queda nas bolsas -> investidores externos deixam de investir no Brasil e passam a investir nos próprios países deles -> o dólar sobe?

ou os acionistas das bolsas do Brasil (ou o próprio BC, sei lá) fazem algum artifício econômico pra aumentar o dólar?

e pq o dólar alto é sinônimo de maiores investimentos externos?

desculpa marcos, ainda não chegeui lá... você podia explicar melhor? ^^

Marcos disse...

Claro q sim! =D

Pra começar, queda nas bolsas significa q os acionistas, sejam eles externos ou internos, estão vendendo suas ações com medo de possíveis prejuízos(fuga de investidores). No Brasil, os principais investidores são estrangeiros. Ou seja, compram em dólar. Quando há uma valorização do dólar, eles têm seu "poder de compra " aumentado. Dessa forma, eles se sentem atraídos novamente a comprar as ações antes vendidas. É mais ou menos assim q funciona.

"ou os acionistas das bolsas do Brasil (ou o próprio BC, sei lá) fazem algum artifício econômico pra aumentar o dólar?"

A valorização do real, atualmente, é mantida artificialmente. Com intervenção do BC, por exemplo.

Outra coisa, o dólar aumenta por causa da desvalorização do real, se levarmos em conta, apenas, a economia brasileira, q é o q eu estou fazendo. O q isso quer dizer? Quer dizer q se o real desvalorizar o dólar sobe aqui, mas n sobe na Venezuela, por exemplo.

Camila L. L. disse...

ahhhhh, entendi!

mas essa volta dos investidores por causa de uma desvalorização do real também teria conseqüências negativas, não é?
sem falar que é mais difícil o Brasil se independer de outros países se a sua economia gira em torno de altas nas moedas deles...

você acha que o Brail está preparado pra arcar com os efeitos de um dólar baixo? ou seja, daria pra ele se virar sem os tais acionistas e ser mais "auto-sustentável"?
acho (opinião bastaaante leiga) que, se o BC tá conseguindo manter o real valorizado, a crise de investidores não vai afetar muito, né?

Marcos disse...

Teria sim, todos aqueles efeitos na economia de um dólar alto. Mas, pro andamento positivo da bolsa, é o melhor caminho. Com o tempo, depois de uma estabilização, pode-se voltar aos antigos valores.

Vc tocou num ponto importante, a dependência brasileira ao capital externo é danosa e inevitável. Isso traz fortes consequências políticas também.

Viver com um dólar baixo daria, estamos, hoje, vivendo dessa maneira. Mas, isso por causa da estabilidade da economia brasileira (risco Brasil baixo). Agora, sem os acionistas externos n dá n. Dá pra haver uma diminuição da dependência, mas uma auto-suficiência nunca. Por isso, q o mercado especulativo é tão globalizado, queda na bolsa de tóquio reflete na bolsa de londres, por exemplo. Toda bolsa tem investimento externo, o grau q muda.

Ah camila, n é tão simples assim n,
dependendo da situação, n vai ter santo q ajude!=D

Camila L. L. disse...

"Agora, sem os acionistas externos n dá n. Dá pra haver uma diminuição da dependência, mas uma auto-suficiência nunca. Por isso, q o mercado especulativo é tão globalizado, queda na bolsa de tóquio reflete na bolsa de londres, por exemplo. Toda bolsa tem investimento externo, o grau q muda."

verdade, nunca tinha percebido isso! =)

red disse...

dolar baixo é relativo, como vemos na area de informatica que chegou ja a 300% de baixa e almento da concorencia(ofertaxprocura), alem de aumento do interese pela massa,ao meu ver o ploretariado so tem a ganhar com dolar estavel.
sim sim, o brasil ainda tem muita divida externa, apesar de dizerem que ele "ja pagou" so por que tem capital pra suprir; o bom e velho capitalismo pena que seja tao utopico
mas eu ainda acho que o brasil deveria fazer com que parecese que a venezuela estaria atacando a colombia e assim coseguir ajuda dos EUA para derubar a venezuela e dvidir o lucro.

Camila L. L. disse...

Com o dólar baixo, produtos internacionais e nacionais ficam praticamente com o mesmo preço.
Obviamente, os mais vendidos são aqueles de maior qualidade, e em áreas de tecnologia avançada como a informática, acho que os produtos brasileiros perdem feio para, pelo menos, os japoneses e americanos.

Então, se para o proletariado o dólar baixo é bom, pra produção nacional, em muitos setores, acho que ele não é.

"Já pagou"? Claro que não! A dívida que o Brasil pagou foi de um específico empréstimo ao FMI, e só. A dívida toda dele ainda é gigantesca...

"mas eu ainda acho que o brasil deveria fazer com que parecese que a venezuela estaria atacando a colombia e assim coseguir ajuda dos EUA para derubar a venezuela e dvidir o lucro." -----> É brincadeira, né?

red disse...

"produtos de informatica brasileiro" isso existe?
"carro nacional" isso existe?
peloque me lembro a unica coisa que os japoneses desenvolveram na area da informatica foi a memoria flash. e futuramente o famoso " processador de 25~50ghz por 100 dolares"
o mercado de informatica foi citado por que informatica esta presente em todas as areas hj em dia, nao importanto se o produto e nacional ja que ele por si ja garante muito emprego e garante a sua boa vida... como seria vc sem celular , sem hd tv , geladeira, microondas, arcondi, elevador, etc ...
brincadeira nao, falei serio
isso é uma boa posibilidade.
"produtos internacionais e nacionais"
se voce fala de produtos fabricados aqui mesmo assim insuficiente .. a maioria das peças vem de la.

Camila L. L. disse...

A informática foi só um exemplo...
O fato é que produtos internacionais de maior qualidade levam vantagem sobre os nacionais (aqui produzidos ou montados, como quiser) quando os preços são iguais, no mercado daqui ou do exterior.

Agora, como é? Tu acha que se o Brasil se juntar aos EUA ("amigo" da Colômbia) contra a Venezuela, isso traria lucros pra cá e seria bastante positivo?
Pra mim estaríamos fazendo o mesmo que os colonizadores fizeram há tempos atrás! Usando a derrubada de um povo pra fazer fortuna, sem se importar com a história e a ideologia dele... Porcaria de dinheiro!

Marcos disse...

Realmente, um dólar desvalorizado favorece produtos importados, já q há uma queda de preço deles. Mas, com um aumento das taxas alfandegárias, entre outras medidas protecionistas, esse problema pode ser contornado.

Uma análise importante em relação a isso é a ilusão de q "tudo está indo bem" q a classe média tem ,quando o dólar está desvalorizado. Pois assim, viajam mais ao exterior, compram eletrodomésticos, entre eles os produtos de informática, e carros com preços mais em conta, além de outras coisas q me fogem no momento. Ou seja, desvalorizar o dólar é uma boa medida para "calar a boca" da classe média e desviar sua atenção de problemas mais importantes.

Ô "Red", vc é um excelente estrategista, já pensou em seguir a carreira militar ou política?

red disse...

militar ja tinha em mente porem ficarei nas topologias mesmo rs.numca politica , ser politico seria aceitar a politica como é , e isso seria vender minha alma.
em suma seria uma "distração nao provocada" mesmo, contudo isso paga minha diversão nao tenho duque reclamar.
o que temos de avanco intelectual escrito é muito grande, so nao enxerga quem nao ler.Oo

red disse...

qual a diferenca de um capacitor blindado soldado aqui e outro la nos EUA?
seria, a venezuela assim como o equador estao bastante incomodos. o presidente ditador falsificado da venezuela se acha por que tem petrolio e meia duzia de caças russos. aonde fica a humildade?
que ideologia? que historia ?
"a season for all things a time to die a time to leave a time to biuld and a time to destroy"

"in the end what separates a man from a slave?money,power?no. a man chooses . A slave obeys"

Camila L. L. disse...

com licensa, red, quem é você?

red disse...

ROFLMAO , ahn?
nao sei quem é voce